segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

ENTAO EH NATAL

Natal. Pra alguns é motivo pra gastar dinheiro, pra outros uma perda completa de tempo, pra muitos é uma data especial (pra mim, por exemplo). O ar é mais leve, uma tranquilidade (fora dos shoppings) se instala. Sempre ouço falar que o espírito de natal anda moribundo, perambulando por cidades do interior entre famílias conservadoras. Eu discordo. Ele está por aí, parado, inerte, intacto para quem quer sentí-lo, como uma grande arvore solitária no centro de uma grande metrópole.

Apesar de tudo é natal. Apesar da última de Brasília, apesar dos panetones, apesar de Copenhagen , apesar da guerra civil não declarada no Rio de Janeiro. E tudo fica acomodado nessa carroça velha chamada vida, que devagar vai seguinto, balançando, rangendo, nessa estrada de chão empoeirada...

Finalizo com uma linda letra de Belchior, que traduz algo desse espírito de natal..

ALUCINAÇÃO (Belchior)

Eu não estou interessado em nenhuma teoria
em nenhuma fantasia nem no algo mais
longe o profeta do terror que a laranja mecânica anuncia
amar e mudar as coisas me interessa mais
muito mais...me interessa

eu não estou interessado em nenhuma teoria
nessas coisas do oriente, romances astrais
minha alucinação é suportar o dia-a-dia
meu delírio é a experiência com coisas reais

um preto, um pobre,
um estudante, uma mulher sozinha
blue jeans e motocicletas, pessoas cinzas normais
garotas dentro da noite...revólver:"cheira cachorro"
os humilhados do parque com os seus jornais
me interessam

amar e mudar as coisas me interessa mais
amar e mudar...amar e mudar
amar e mudar as coisas me interessa mais